Arquivos do Presente

Programação a apresentar em breve nas sala.

Data a anunciar em breve / 272’

A gestão municipal toca quase todos os aspectos das nossas vidas. A maior parte de nós desconhece ou não questiona serviços necessários como os da polícia, bombeiros, saneamento, relacionados com veteranos de guerra, apoio aos idosos, jardins, licenciamento de várias actividades profissionais, registo de nascimentos, casamentos e mortes assim como centenas de outras actividades que prestam apoio aos residentes e visitantes. O filme mostra os esforços da administração municipal de Boston para prestar esses serviços e ilustra as muitas maneiras de o Município dialogar com os seus cidadãos.

Data a anunciar em breve / 113’

Enterrado na Loucura – Punk em Portugal 78-88 – A Segunda Vaga é uma alucinante viagem por este movimento. Apesar de muitas vezes declarado morto, manteve-se vivo. Este filme reúne testemunhos das principais caras do punk em Portugal. No final, toda a energia de um concerto dos Mata-Ratos na Academia de Linda-a-Velha.

Data a anunciar em breve / 84’

Em Picnic Free, um casal passa a tarde no parque entre longos passeios, comida e sexo. Em Right On!, os Last Poets cantam e dançam pelas ruas e topos de arranha-céus em Manhattan. Ao apresentá-lo pela primeira vez, o produtor disse ser “o primeiro filme inteiramente negro”, “sem cedências a nível de linguagem ou simbolismo aos espectadores brancos”.

Data a anunciar em breve / 69’

Quatro filmes que questionam a percepção da realidade. Terraformar abre-se nas transformações entre o material, o antrópico e o cósmico. Fenómenos dão-nos a explorar paisagens urbanas em Praga Regada. O corpo mistura-se com a natureza em Semear, Ouvir, Fluir. Lembra-me da Vida Ali parte de encontros com as realizadores Catarina Mourão, Susana de Sousa Dias e Catarina Alves Costa para procurar a realidade reconstruida pelo cinema e as questões sobre a vida captada através de uma câmara.

Data a anunciar em breve / 111’

“Uma cortina espessa de flocos de neve, uma criança a pintar num vidro embaciado com a ponta dos dedos, um sorriso esquivo, uma paisagem de relance, um projector a chocalhar, uma conversa na cozinha com amigos ou pés descalços a caminhar. Imagens e sons gravados por Michael Pilz entre 1987 e 1996. Movimentos, gestos e olhares captados com a câmara e o coração. As imagens revelam a natureza daquilo que filma e o observador por trás da câmara. Uma experiência pessoal radical de ver, comunicada na forma de uma carta de amor cinematográfica – à vida e aos que partilharam parte da viagem.” Michelle Koch